sábado, 25 de abril de 2009

Remover como?

Considerado um tabu no Rio de Janeiro, a remoção das favelas, embora seja assunto antigo, tem dado o que falar ultimamente.

Há os que consideram inviável, os que definem como prioridade e os que defendem a remoção apenas em casos específicos - como o das situadas em áreas de risco.

Os contrários a remoção consideram que opção melhor seria urbanizar as comunidades, levando infra-estrutura até elas. Os defensores utilizam como argumento principal a remoção das favelas do Pinto e da Catacumba, durante o governo de Negrão de Lima, que hoje tornariam a Lagoa Rodrigo de Freitas - um dos cenários cariocas mais bonitos- num complexo de favelas.

Em termos de turismo, pensando no cartão postal da cidade, ótima medida. No entanto, pra onde foram levados os moradores dessas comunidades? Para um local longe de ter um mínimo de estrutura e longe também do mercado de trabalho.

Remover as favelas é um assunto delicado, mas que deve ser abordado e discutido exaustivamente. Porém, a questão principal é levar os moradores dessas comunidades para conjuntos habitacionais que possam ter, no mínimo, saneamento básico efetivo e transporte de massa efetivo.

Algo difícil de se imaginar em uma cidade onde numa semana há quebra quebra nas barcas, na outra, passageiros são chicoteados no trem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário