segunda-feira, 29 de junho de 2009

1958 - eternidade

Michael Jackson é daqueles que nascem para brilhar, e morrem para serem eternizados.

Poderia ser eternizado por suas excentricidades, pelas bizarras transformações em seu corpo, pela sua síndrome de Peter Pan, por tantas outras polêmicas.

Como alguém acusado de renegar a própria raça, acusado de pedofilia é ídolo de milhões de pessoas pelo mundo todo?

Todas essas características peculiares só lhe fazem mais brilhante

Se esse alguém canta, dança, produz com maestria. Se esse alguém marca três décadas e inaugura um novo reino na música mundial. Se esse alguém é Michael Jackson, qualquer coisa que possa haver contra ele toma proporções pequenas se comparadas com o brilho que possui o maior popstar de todos os tempos.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Exemplo de Transparência

A prefeitura de São Paulo deu um belo exemplo na semana passada ao inaugurar o seu portal na internet.

Através do site estão sendo divulgados gastos da prefeitura, assim como os salários dos servidores municipais.

Embora com algumas falhas e um sistema que ainda precisa ser desenvolvido - de acordo com especialistas - o site representa maior transparência nos gastos com o dinheiro do povo.

Seria de suma importância se todas as esferas do poder público, especialmente aquelas mais obscuras (leia-se: Congresso nacional), adotassem tal medida de esclarecimento.

Com o acesso às informações via internet, a opinião pública se ampliará a um grande contingente de pessoas, deixando de ser constituída apenas pela elite que tem acesso aos jornais.

terça-feira, 23 de junho de 2009

sarkozy e a burca

Em meio às sérias ameaças à democracia no Irã - onde protestos têm resultado em mortes e jornalistas impossibilitados de trabalhar - eis que surge uma demonstração repressora de onde não se esperava.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, foi ao congresso discursar a favor da proibição do uso, na França, da burca e do niqab, trajes utilizados pelas mulheres islâmicas, as quais ficam apenas com os olhos a mostra.

Por mais que possa ser considerado símbolo da submissão imposta às mulheres - como disse o próprio presidente - o uso deste traje é tradição islâmica, já incorporada a sua cultura e aceita por muitas das mulheres.

Portanto, Sarkozy vai de encontro ao livre arbítrio e ao caráter Laico da França,país que abriga milhões de islâmicos e que deveria favorecer a diversidade das manifestações religiosas e não reprimi-las de forma intolerante.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Lula é um poeta - segunda parte

(continuação)

Depois de convidar o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, a visitar o país, Lula demonstrou que não está nem aí pra como outros líderes governam seus países. Se não há democracia, problema deles, o que importa é conseguir potenciais votos para o Conselho de segurança da ONU.

Apesar de ir contra a moral - minha e de todos os que protestaram contra a visita do ditador - a atitude do presidente brasileiro poderia até ser interpretada como inteligente, diplomática - eu diria oportunista. Enfim, a visita tinha até algum senso.

Ao comparar o maior protesto no Irã, desde a Revolução Islâmica, com uma briga entre torcedores de Vasco e Flamengo Lula extrapolou qualquer limite de razão. Mesmo quando tudo indica que houve mesmo fraude nas eleições iranianas nosso presidente diz que é choro de perdedor. Que diferença faz se são milhões de perdedores?

Não considero correto afirmar que as eleições foram fraudadas - apesar das evidências iniciais e da mobilização popular - antes de se ter uma análise completa, uma recontagem.

Por isso, não acho que Lula deveria ter sido completamente a favor da oposição em suas declarações. Não queria que o presidente declarasse que foi uma fraude absurda. Queria apenas que Lula se calasse, já que não é capaz de ponderar em um momento sensível de um país que parece se mobilizar pela liberdade.

Queria que Lula entoasse sua bela poesia muda.

domingo, 21 de junho de 2009

Lula é um poeta

Lula parece dar infelizes declarações, sobretudo quando os assuntos são mais infelizes ainda.

Não estou questionando sua capacidade de governar, mas assim como Pelé - perdoe a comparação - Lula é um poeta de boca fechada. É claro que o presidente tem tiradas mais engraçadas. E é óbvio que O Rei da bola, nos campos, jamais poderá ser questionado, diferente do Lula, em Brasília.

sarney foi jogado no paredão devido a conivência com as mazelas do Senado -do qual é presidente pela 3ª vez. Para Lula, é um absurdo essa condenação, pois um homem com a história de Sarney merece ser respeitado.

Mas é justamente por toda a sua história que o ex-presidente da República, José Sarney, deve ser mais cobrado ainda. Um político que ocupou o posto mais alto do país deveria ter experiência - e caráter - suficientes para, no mínimo, impedir o desvio de conduta dos demais senadores.

(Continua...)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Público ou privado?

A cada dia mais, nosos parlamentares nos demonstram no que se transformaram o Senado e a Câmara.

O ideal seria que isso estivesse sendo dito para exaltar a brilhante atuação que passaram a ter deputados e senadores, legislando em prol da população e do progresso do país.

Infelizmente, a casa dos políticos - que deveria ser do povo, mas é da mãe Joana - se transformou em uma espécie de prestadora de serviços, cuja função principal é transformar o público em privado.

Na hora de usufruir das benesses, o senado - como exemplo - é considerado a casa de todos os que dele sugam. Nesse caso ele é privado.

Quando são descobertos 500 atos secretos, o senador José Sarney - presidente da casa - parece elucidar melhor a fronteira entre público e privado: "A crise do Senado não é minha, a crise é do senado". Nesse caso, ele é público.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Mincs e Kátias

A guerra entre ambientalistas e ruralistas parece não ter fim. Uns pensam na economia do país - mais ainda do próprio bolso. Outros pensam no ambientem, mas também se preocupam em promover uma imagem de preservador e engajado nas causas ambientais.

Ambos os lados são radicais e indicam que não irão ceder.

Cabe ao presidente controlar a situação e transforma-la em um debate profundo e bem fundamentado, pondo um fim nessa guerra entre os dois lados, com ofensas e ironias em abundância.

Lula deve ser o mediador, aquele que aliará economia à preservação, ambientalistas à ruralistas, Minc à Katia Abreu.

Desenvolvimento sustentável, mais do que nunca, é a chave para o progresso do país - e a conservação do nosso ambiente.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Petroblog. De novo, só que mais pensado

Após ler e reler distintas opiniões a respeito do Blog da Petrobrás percebi que é muito difícil se chegar a uma conclusão.

Embora continue achando que a empresa não prima pela democracia e não tem como objetivo principal esclarecer a população -pra mim a intenção é desviar o foco da CPI, como conseguiu - acho também que os jornais talvez estejam se sentindo ameaçados pela rapidez de circulamento de informações gerada pela internet.

A Petrobrás está no seu direito de divulgar perguntas e respostas que lhe dizem respeito.Porém, demonstra uma certa falta de bom senso ao faze-lo antes da publicação das matérias.

O assunto já é batido, mas mais do que nunca cabe aos jornais se reinventarem. E a mim, ler mais sobre um assunto antes de sair dando meu pitaco. Fica a lição, para ambos.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Petroblog

A Petrobrás, através de seu blog "Fatos e Dados", tem divulgado previamente o conteúdo de alguns jornais.

No caso da reportagem do "O Globo", por exemplo, sobre o biodiesel a patir da mamona, a empresa colocou em seu blog na sexta-feira (dia 05 de junho) as perguntas enviadas pelo jornalista e, é claro, suas respostas.

A matéria seria capa de Domingo.

O mesmo aconteceu com "Folha de São Paulo" e com "O Estado de São Paulo".

Em meio a as acusações sobre a falta de ética da Petrobrás,o presidente Gabrielli argumenta que o blog proporciona a democratização das informações. Resta saber se as informações referentes às parcerias que a empresa fez sem licitação serão democratizadas. Estamos todos aguardadando.

No mais, o possível objetivo de desviar o foco das denúncias parece ter sido atingido, já que o blog tomou conta do noticiário.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Um 447 por dia.

Deve-se Respeitar o sofrimento das famílias das vítimas do acidente do voo 447 (Rio-Paris).O airbus sumiu do mapa nas proximidades da ilha de Fernando de Noronha e, provavelmente, encontra-se em algum lugar do oceano atlântico.Ainda não se descobriu a causa da tragédia.

Desde o acidente a mídia tem feito, diariamente, uma cobertura completa. É claro que cada vida que foi perdida deve ser lamentada e receber as condolências, mas a questão é que o mais assustador é o número de pessoas morrendo juntas.Mais de duzentas.

O fato de acidentes como esse marcarem a história da aviação demonstram que o transporte é seguro, sim! Grave é a situação nas estradas brasileiras, que vitima tanta gente quanto o voo 447.Por dia.

A cobertura que tem sido realizada pelo acidente, assim como a incansável busca das autoridades por tentar resolver o mistério deveria, também, ser aplicada ao trânsito brasileiro, caótico pela péssima condição das estradas e pela falta de punição dos infratores.

No mais, meus sinceros votos de solidariedade a todos os familiares e amigos das vítimas do 447 e das vítimas do trânsito.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Chega de violência!

A violência entre torcidas fez mais uma vítima. Dessa vez, um corinthiano fora assassinado à pauladas e facadas após uma briga nas proximidades do Estádio Pacaembu,em São Paulo, pouco antes do confronto entre Vasco e Corinthians, pela Copa do Brasil.

ônibus, carros e motos depredados e até queimados. Marcas de sangue nas ruas. Rojões, bombas, ferros. Esse foi o rastro que a violência praticada por animais deixou nas ruas da capital paulista.

E vai ser sempre assim, enquanto não for tomada uma atitude enérgica.

Pra começar, os clubes devem parar de fornecer ingressos às torcidas organizadas,pois está financiando os arruaceiros.Acabar com esse tipo de torcida não é possível: primeiro, porque os torcedores vão continuar se agrupando, mesmo que não possuam mais uma identidade como torcida. Segundo, porque não se pode generalizar, existem torcedores que fazem parte de torcidas organizadas, mas não das brigas. E existem torcidas organizadas que não brigam.

Impedir a entrada de torcedores do time adversário ao mandante também não é a saída.A rivalidade é essencial pro futebol, e muitas pessoas sabem conviver com ela pacificamente.

O que se deve fazer, é tratar como criminosos esses criminosos que brigam, destroem e matam.Prendê-los quando se julgar necessário e impedi-los de ir ao estádio por um bom tempo. Esse tipo de "torcedor" deveria se apresentar a uma delegacia horas antes do jogo e ser liberado horas depois, ou mesmo realizar um trabalho voluntário neste período.

Ao contrário do que muitos pensam, os vândalos não representam uma nação de torcedores. Impedindo os brigões de frequentarem os estádios, se estará chamando de volta os bons e velhos torcedores, aqueles colocavam 100 mil no maracanã e torciam em paz.